Como escrever cenas de sexo arrebatadoras: taque fogo nos seus leitores e queime-os até o talo!

Oi escritores!

Hoje o post será um pouquinho diferente. Eu sigo o blog da Kristen Lamb e me divirto à beça. Ela é super assídua, posta toda semana duas vezes, se não me engano, e aproveito bastante o que ela ensina. Mas esse post que eu recebi ontem eu não aguentei guardar só para mim: eu precisei compartilhar. Primeiro porque é engraçado, e segundo porque trata de um assunto que nunca trouxe para cá (e eu adoro coisas novas e diferentes, e trazer tudo para cá).

Pois bem. Como adorei o título, o papo e os conselhos, traduzi o post (quase) na íntegra. Se você lê em inglês, clica aqui para o original. Se quiserem em português, continuem lendo. Espero que riam como eu ri! (e aprendam como aprendi).

 

“Ei pessoal, Cait Reynolds, minha co-autora / parceira de crime / terapeuta / meio do mal está aqui para falar sobre os pássaros e as abelhas ou, talvez, sobre abelhas algemando outras abelhas. O “como” escrever cenas de sexo arrebatadoras é vital, apenas desconfortável para mim. Desculpa. É culpa da minha educação.

Sou uma texana com uma mãe luterana e um pai batista. Cresci no Cinturão da Bíblia, e estive em muitos retiros de férias bíblicos para ser de grande ajuda. De fato, legalmente, não conseguiria escrever uma cena de sexo até que todos os membros da minha família tivessem morrido… e provavelmente nem depois que morressem.

Dito isso, é bom que saibam que aproximadamente 80% de todo mercado editorial é alimentada pelo gênero romance. Isto é um fato. Eu leio muito romance, muito mesmo. Infelizmente, no entanto, há “romances” tão processados e abarrotados de “encheção de linguiça” que deveriam vir enrolados em papel alumínio em vez de capas de livro.

Eles são cansativos, exagerados, secos, pouco criativos. Ninguém aguenta mais consumir essas coisas (a menos que esteja morrendo de fome e desesperado!) Agora, os grandes romances? Esses cretinos deveriam vir com rótulos de advertência. Essas histórias nos tacam fogo que não extingue enquanto não virarmos cinza.

Embora eu reconheça esses livros quando os veja, não é minha praia ensinar como escreve-los. Então Cait, também conhecida como Bad Teacher vai assumir por aqui …

bad-teacher-10

Por CAIT REYNOLDS

“Quando ter sexo? (Além do, uh, óbvio)

Preciso esclarecer aqui que, quando uso a palavra “sexo”, é uma espécie de taquigrafia para uma ampla gama de calor e cenas, desde o beijo quase sem respiração até o BDSM prolongado, sem retenção, ao ménage-a-trois.

Basicamente, quando uso “sexo”, isso significa que a excitação física tornou-se parte da cena e pode influenciar emoções, idéias e decisões (boas e ruins, mas sempre “complicadas”).

Se escrevemos essas cenas de maneira doce ou escaldantemente quente, sempre deve haver uma razão por trás do sexo para nossos personagens. As cenas de sexo não estão isentas das regras do enredo. Deixe-me dizer isso novamente:

CENAS DE SEXO OBEDECEM ÀS REGRAS DO ENREDO!

E sim, eu sou toda CAPS LOCK sobre as coisas super importantes. ajustando a calça de ioga de couro

Como eu estava dizendo…

Isso não quer dizer que a decisão de um personagem ceder à tentação deve ser racional (na verdade, muitas vezes é melhor para a trama se não for). No entanto, o sexo deve sempre se encaixar coerentemente dentro da estrutura lógica da história. Não podemos simplesmente lançar uma cena de sexo porque já passou um capítulo e meio desde que nossos personagens se conheceram.

Outro pecado cardinal é cronometrar uma cena sexual quando as emoções dos personagens não correspondem a onde eles estão no desenvolvimento que você criou para eles (o momento onde eles estão no “arco” do personagem)

Vamos usar Seraphina e Taylor, por exemplo. Se Seraphina está tendo dificuldade em aceitar que o que Taylor fez foi para seu próprio bem, ela vai lutar emocional- e intelectualmente contra a atração que sente por ele. Muitas vezes, viramos a Seraphina e passamos de maníaca a derretido entre o curto espaço de um beijo.

Embora ela certamente possa ceder às sensações físicas, emocionalmente ela não estará no mesmo lugar que suas respostas fisiológicas. Ela vai entrar em conflito no momento e quem sabe onde ela estará no final?

ISTO É UMA COISA BOA.

O conflito é o coração vivo de qualquer história, e desculpar as cenas de sexo desta regra é jogar um balde de agua fria tanto na relevância quanto na tensão do sexo.

No entanto, a suspensão da descrença é uma coisa frágil, e corremos o risco de esmagá-la em pedaços quando interrompemos o fluxo lógico de uma história – algo que o leitor está em sintonia, mesmo que não a conheçam. [P.S meu: esse para mim é o maior erro das autoras brasileiras que escrevem sobre sexo!]

Em suma, quando se trata de uma cena de sexo, não podemos simplesmente enfiá-la em qualquer lugar a qualquer momento que desejarmos (desculpe, desculpe – tive que falar de novo). Quando o momento está certo, uma boa cena de sexo é exatamente o que os personagens e a trama precisam.

Como ter sexo (Além do, uh, óbvio) …

Digamos que estamos lendo um mistério. Nós o pegamos para ler com a expectativa de suspense, certo? Da agradável antecipação de tentar descobrir o problema antes do detetive, em um jogo emocionante de gato e rato literário.

Mas aí o autor anuncia no capítulo três que “foi o mordomo na biblioteca com o candelabro”, e o resto do livro é gasto encontrando mais pistas que confirmam isso… sim, foi o mordomo na biblioteca com o candelabro.

Eu não sei sobre você, mas eu arremessaria o livro do outro lado da sala…

Então, por que ainda eximimos as cenas de sexo desta regra básica de ficção?

CENA DE SEXO OBEDECEM AO RITMO DA HISTÓRIA

Se Seraphina e Taylor pularem na cama no capítulo três (com ou sem o mordomo e o candelabro ), então o que resta para o casal? Mal-entendidos e conflitos mentais? Claro.

Mas … o estalar, o crepitar, o “pop” quando rompemos a tensão sexual latente não resolvida (T.S.L.N.R.) desaparece total e irrevogavelmente. Só há uma primeira vez. Um momento de verdadeira rendição.

UM.

Depois disso, é apenas se entregar a um hábito com mais ou menos consequências. Se estamos escrevendo romance de alta temperatura , definitivamente há uma expectativa de ter muitas cenas de sexo ( e bastante explícitas). Mas não há nada que diga que temos de ir até o final no primeiro encontro. Há uma certa ironia na idéia de que nós, como escritores, deveríamos ser infinitamente criativos, no entanto, quando se trata de cenas de sexo, nós freqüentemente tendemos ao óbvio.

A antecipação é o afrodisíaco mais poderoso que existe. O mais intoxicante e viciante.

Crie tentação e negação desse desejo, e faça-os resistir o máximo que conseguir.

Quanto maior a perseguição, maior a recompensa. Quando nós (leitores) mergulhamos em um livro, nossos corações estão batendo, e simplesmente não podemos parar porque queremos … precisamos daquilo que foi negado repetidamente. O ato final é chamado CLIMAX por um motivo. Lembre-se disso.

  • Nós, escritores, precisamos entender que o que acende os leitores e os deixa em um estado de excitação quase doloroso é sempre a provocação (e muita, muita insinuação). PRELIMINARES literárias é tudo de bom!
  • Quanto mais sabemos sobre nossos personagens, mais podemos criar momentos e cenários que começam a construir a T.S.L.N.R. (tensão sexual latente não resolvida) até que uma única centelha exploda todas as suas roupas. Por isso:
    • O que nossos personagens temem sobre a intimidade?
    • O que empurra seus limites emocionais e físicos?
    • O que eles nunca fizeram antes?
    • O que é perigoso para eles?
    • Onde eles nunca se envolveriam em intimidade física?

De maneira adequada, podemos construir tensões e prolongar a antecipação para que a primeira cena de sexo completa possa acontecer no meio da história ou mesmo a dois terços do livro, e o leitor sequer se importou com a demora porque ele está quente e subindo pelas paredes com a tensão sexual do casal desde que eles se encontraram no capítulo dois, dentro do restaurante.

 

Onde ter sexo (Além do, uh, óbvio) …

Um bom editor vai descer sobre nós com uma tonelada de tijolos se escrevermos cenas muito mecânicas ou cheias de detalhes sem importância. Toda cena tem seu próprio equilíbrio de diálogo, pensamentos internos, ação e descrição. As proporções exatas de cada elemento podem diferir para diferentes POVs, gêneros, cenas, nível de calor, etc., mas estão sempre presentes. Por isso, então, pelo amor de qualquer coisa, não vá esquecer esta regra quando escrever sua cena de sexo. É dolorosamente fácil deixar uma cena sexual escorregar para o “Inserir A no espaço B” quando nos concentramos apenas em quais partes do corpo de um estão tocando em outras partes do corpo do outro.

CENAS DE SEXO OBEDECEM ÀS REGRAS DE DESCRIÇÃO

Há tanto que podemos colocar em uma cena de sexo para aprimorá-la, torná-la vibrante, tocar um acorde da realidade com o leitor e criar uma momento verdadeiramente único para nossos personagens… Vamos apenas olhar para a mecânica, agora. Nós não descreveríamos cada ação que um personagem leva para preparar uma lasanha, certo? Por que estamos fazendo isso com uma cena de sexo? Se conhecemos verdadeiramente nossos personagens e o que desejam, medo, desejo e desagrado, podemos chamar a atenção do leitor para o que é ousado, incomum e perigoso para eles. Por exemplo, eu poderia descrever em minúcias agonizantes sobre como Taylor desnuda Seraphina. Provavelmente acabaria soando como qualquer outra cena de desnude em todos os outros livros.

Taylor saltou rapidamente os botões de sua blusa, ficando impaciente e puxando-o sobre sua cabeça. Ela engasgou enquanto ele enfiava as mãos na cintura de sua saia e habilmente virou-a para que pudesse desabotoá-la e deslizá-la pelas suas pernas

(eu não posso ir muito além aqui sem ficar mecânico e explícito e com todos esses problemas com Kristen, você sabe…).

Eh. Meh. Blah.

Mas … e se girássemos a cena desse jeito?

Quando Taylor rasgou suas roupas, Seraphina se perguntou se havia sido uma decisão impulsiva deixar o trabalho no meio da tarde para encontrá-lo no hotel. O constante golpe de chuva contra as janelas lembrou o fluxo de e-mails que ela estava deliberadamente ignorando. Ela olhou para o homem responsável por sua tentação, o agente de sua transformação. Todas as roupas que ele arrancou afastaram a casca da mulher corporativa fria, e toda respiração quente contra sua pele batizou-a no fogo do desejo primitivo.

Em sua mente você viu Taylor tirando a roupa de Seraphina. Eu não tive que vencer sua imaginação batendo os botões da blusa da garota em sua cabeça ou estapeando-o com a saia. Eu coloquei você na cabeça dela (e eu aposto que, por um segundo, você ouviu o choque de chuva contra uma janela, vai?) ”

 

Enfim, o que tirei desse post foi que a cena de sexo em NADA difere de outra cena no livro, em termos de enredo, relevância, construção de personagem, etc. Na verdade, eu tenho um material há tempos parado em que brinquei de analisar cenas de sexo literárias e acabei escrevendo um “manifesto” sobre isso. Vou revirar meus arquivos e tentar achar. Isso até que daria uma ótima  sequencia de posts!

Espero que tenha sido aproveitável para você! Eu adorei as dicas, porque quando estamos escrevendo romances, nos deixamos levar pelo embalo e acabamos cedendo a cenas que não deveriam estar ali. Sempre dá para melhorar, né, não?

Um grande abraço!

Assinatura Karina

2 comentários em “Como escrever cenas de sexo arrebatadoras: taque fogo nos seus leitores e queime-os até o talo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s